Jet Li – o melhor artista de artes marciais

Jet Li é talvez o maior descendente da galeria dos grandes atores do cinema de artes marciais, na linha de Jackie Chan e Bruce Lee. Nascido em 1963, Jet Li estreou o seu primeiro filme de Hollywood, “Arma Letal 4”, em 1998, já depois de ter protagonizado vários filmes chineses de grande sucesso. Do seu currículo constavam já a trilogia “O Templo de Shaolin”, os filmes “Era Uma Vez na China” e “O Guarda-Costas de Pequim”. Em Hollywood, Li integrou os elencos de, entre outros, “O Reino Proibido”, onde contracenou com Jackie Chan e os três títulos de “Os Mercenários”, com Sylvester Stallone na realização.

Jet Li, além de ser um exímio praticante de artes marciais, é também um praticante de budismo. Neste sentido, é mais um bom exemplo de como o desenvolvimento pessoal acompanha o desenvolvimento técnico. Já em criança, Jet Li dava provas de poder vir a ser um grande campeão, vencendo torneios contra adversários mais velhos, pesados e experientes. Contudo, o seu desenvolvimento filosófico permitiu-lhe passar ao lado dos problemas que a fama e a fortuna trazem a tantas outras estrelas de cinema. Afinal, Li sabe que grande parte dos problemas nascem em nós mesmos e que uma abordagem mais simples da vida traz melhores resultados.

Jet Li e as artes marciais

Ele acredita que o wushu, o desporto de full-contact chinês que praticou na juventude, corre o risco de vir Jet_Li_2006a valorizar, cada vez mais, a forma, em vez de privilegiar a essência de ser um verdadeiro praticante de artes marciais. Mais importante que a força ou a velocidade, segundo Li, deve ser a harmonia interior, o equilíbrio físico, espiritual e mental que o praticante deve querer alcançar. E na verdade, quanto maior o grau de harmonia e estabilidade alcançado, maiores serão os níveis de força e velocidade atingidos. Adicionalmente, Jet Li defende que o primeiro objetivo do wushu não é autodefesa, mas sim a resolução pacífica de conflitos; a violência só deve ser utilizada como último recurso e somente quando todos os outros recursos se esgotaram.