As artes marciais nos diferentes países

As artes marciais são inerentes à condição humanas, não sendo de espantar que se tenham desenvolvido em todas as latihqdefaulttudes e civilizações. O nascimento e desenvolvimento das artes marciais ocorreu ao longo de séculos e reflete as circunstâncias culturais e sociais do seu meio ambiente. Veja agora algumas das artes marciais em diferentes países.

França: Savate

Embora se pense nas artes marciais de mãos e pés como um fenómeno do Extremo Oriente, na França dos séculox XVIII e XIX desenvolveu-se uma técnica de combate muito semelhante ao kickboxing. O “savateur” usa as mãos como defesa e ataque, deferindo socos à maneira do boxe inglês, ao mesmo tempo que faz um uso intensivo do pontapé.

Nova Zelândia: Mau Rakau

O povo Maori, autóctone da Nova Zelândia, deu o nome de Mau Rakau a uma arte marcial que inclui o domínio de diferentes tipos de armas. A mais proeminente é a taiaha, uma espécie de varapau.

Brasil: Capoeira

A capoeira é a mais antiga arte marcial brasileira. Com raízes nos escravos trazidos de África, todas as fontes apontam para que se trate de uma criação exclusivamente brasileira. Face à repressão colonial, os escravos eram obrigados a esconder esta técnica de combate, pelo que a capoeira passou a ser um ritual complexo de acrobacia, dança e música; contudo, não deixa de ser uma arte marcial, na sua génese.

Indonésia: Pencak Silat

Considerada como a arte marcial nacional da Indonésia, a Pencak Silat reúne um conjunto alargado de técnicas de ataque e de defesa, com ou sem armas.

Tailândia: Muay Thai

Verdadeiro símbolo nacional da Tailândia, o Muay Thai é conhecido por ser a “a arte das oito armas”, pois inclui as mãos, os pés, os cotovelos e os joelhos. É habitualmente considerada uma das formas de combate mais completas, não só pelos níveis físicos e psicológicos granjeados pelos seus praticantes, mas também pela imensa variedade de golpes, tanto em ataque como em defesa, que lhe dá a filosofia das “oito armas”.