As artes marciais modernas

As artes marciais foram desenvolvidas ao longo de séculos, e mesmo milénios, acompanhando a progressão cultural e filosófica dos países onde nasceram. Embora sejam encaradas como tradições ancestrais, o certo é que essa progressão cultural não parou e ao longo das últimas décadas surgiram novas formas de artes marciais.

Krav Maga

Na Hungria dos anos 1930, os judeus tinham que enfre3ntar o problema do antissemitismo. Mais do que prosseguir uma via longa de desenvolvimento espiritual, interessava-lhes deter e bloquear os ataques de que seriam alvo na rua, por gangues e milícias fascistas. O caráter prático, flexível e súbito do Krav Maga foi depois transportado para o estado de Israel, sendo praticado por civis e militares.

Jiujitsu Brasileiro

O filho mais novo da família Gracie, do Brasil, era demasiado frágil para executar as técnicas do jiujitsu. Contudo, a sua determinação levou-o a adaptar as técnicas à sua condição de forma a derrotar adversários mais possantes e aparentemente mais capazes do que ele. A nova arte marcial fez sucesso nos Estados Unidos e por todo o mundo.

Jeet Kune Do

Bruce Lee não foi apenas um ator e um praticante de Wing Chun, uma das variantes das artes marciais chinesas que apelidamos de kung fu; ele foi um mestre e um pensador da sua arte. Ao constatar que o formalismo rígido da sua formação não era inteiramente adequado para a luta real na rua, ele desenvolveu um novo estilo que privilegia a eficiência, a rapidez e a flexibilidade, e ao qual quis chamar o “estilo sem estilo” ficando conhecido como jeet kune do.

Chess Boxing

Misturar um desafio totalmente físico, como a luta, e um totalmente inteletual, como o xadrez, parece um contrassenso. Foi à ficção literária que Iepe Rubingh foi buscar esta ideia, que ganhou força a nível internacional a partir de meados da década de 2000. Na verdade, tanto no xadrez como no boxe o atleta precisa de manter o foco, o equilíbrio e manter o corpo e a mente em perfeitas condições.