A origem dos filmes de artes marciais

A origem dos filmes de artes marciais encontra-se inevitavelmente ligada à Ásia, em especial à China; o primeiro país onde esta categoria de cinema se tornou popular. Os primeiros filmes surgiram logo nas décadas de 20 e 30 do século XX. O gosto do público refletia a importância que as artes marciais assumiam enquanto referência cultural e identitária para os chineses, de uma forma mais profunda do que, por exemplo, o savate em França ou o boxe em Inglaterra.

Shaw Brothers

Os estúdios dos irmãos Shaw, em Hong Kong, tornaram-se, em meados do século XX, o principal foco de difusão de filmes de artes marciais. Transformando combatentes experimentados em atores, dispunham do estúdio com maior área do mundo. A empresa definiu o conceito de filme de kung fu, de que é um bom exemplo “A 36.ª Câmara de Shaolin”, de 1978.

Bruce Lee

Tragicamente acometido por um edema cerebral aos 33 anos de idade, Bruce Lee foi o principal responsáhqdefault (1)vel por abrir as portas do mundo ao cinema de artes marciais asiático. Possuidor de capacidades físicas consideradas quase sobre-humanas, fundador de uma nova técnica de combate (Jeet Kune Do), Lee nasceu numa família ligada às artes e ao cinema. Esteve ligado e protagonizou vários filmes de sucesso, nomeadamente “Enter The Dragon”.

Hollywood

O cinema americano acabou por acompanhar a tendência que vinha da Ásia. Para além do caso de Jackie Chan, que desenvolveu a sua carreira já em Hollywood, ao longo da década de 80; vários atores não-asiáticos tornaram-se referências mundiais enquanto praticantes de artes marciais asiáticas. São os casos de Steven Seagal (cinturão negro, 7º dan, de aikido), Wesley Snipes (cinturão negro em Karate Shotokan e Hapkido), Jean Claude Van Damme (Karaté e kickboxing) e Chuck Norris (o primeiro ocidental a alcançar o 8º grau no cinturão negro em Tae Kwon Do.)